Caçamba com carga de cimento adulterado foi levado para a delegacia. (Foto: Polícia Civil)
Investigadores da Polícia Civil de Mata de São João prenderam em flagrante, na tarde desta segunda-feira (13), um comerciante acusado de participar de um esquema de adulteração e comercialização de cimento ilícito. A ação aconteceu na zona rural da cidade.

De acordo com informações do setor de investigação, Jerson Souza da Silva, recebia o carregamento do cimento a granel numa fazenda situada na localidade do Carijó. No local, que já funcionou uma cerâmica, o material era armazenado e embalado em sacos de duas marcas conhecidas: Poty e Cimpor. 

null
Embalagens personalizadas encontradas no local. (Fotos: Divulgação/Polícia)

Jerson estava com 276 sacos em sua caçamba quando foi detido. Durante a abordagem ele teria dito aos policiais que transportava entulho no veiculo. 

Ainda segundo os policiais, o local contava com uma tubulação desenvolvida para levar o cimento do caminhão tanque para o forno, que era usado para armazenar a carga.

null
Tubulação levava o cimento para o forno que era usado para armazenar a carga. (Fotos: Divulgação/Polícia)

A polícia acredita que o cimento que abastecia o esquema de adulteração tem origem da construção de bases de sondas da Petrobras. 

Os investigadores relataram que vinham apurando informações há mais de seis meses e que o acusado tentou suborna-los no momento da prisão. 

Jerson é proprietário de uma casa de materiais de construção no centro de Mata. Pelo menos 70 sacos de cimentos que estão na loja serão confiscados. 
  
A caçamba com a carga de cimento foi apreendida e levada para a delegacia.

Os policiais investigam a origem do cimento adquirido pelo comerciante. Jerson deve responder pelos crimes de receptação e corrupção ativa. Ele está custodiado na delegacia. 

null
Proprietário do sítio recebia R$200 por mês pelo aluguel do local. (Fotos: Divulgação/Polícia)



Comentários

AVISO - Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie através do nosso whatsapp 71 99663.6360 ou do email [email protected] Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal. TERMOS DE USO

mais notícias » Leia também

Publicidade