Adiou por mais 60 dias o prazo final para a conclusão de inquérito. (Foto: Reprodução )

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), adiou por mais 60 dias o prazo final para a conclusão de inquérito que apura o suposto recebimento de propina por parlamentares para aprovar medida provisória de interesse da Odebrecht, de acordo com o G1.

São investigados os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), os senadores Renan Calheiros (MDB-AL) e Romero Jucá (MDB-RR) e o deputado federal Lúcio Vieira Lima (MDB-BA).

Ao determinar a prorrogação, Fachin atendeu a pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Comentários

AVISO - Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie através do nosso whatsapp 71 99663.6360 ou do email jornalismo@maisregiao.com.br. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal. TERMOS DE USO

mais notícias » Leia também

Publicidade