O problema está no processo de criptografia do mensageiro, alegam os pesquisadores (Foto: Reprodução)

Pesquisadores da Check Point Research divulgaram ontem (7) um relatório sobre uma falha de segurança identificada no WhatsApp, o mensageiro mais usado do mundo. Segundo o documento, a brecha encontrada permite que hackers interceptem mensagens e até mesmo alterem o conteúdo enviado para enganar usuários.

O problema coloca em risco mensagens enviadas em conversas privadas e em grupo e “dá aos atacantes um imenso poder de criar e espalhar desinformação a partir do que parecem ser fontes confiáveis”, relata a CPR.

O grupo que investigou a falha descobriu que ela pode ser explorada de três maneiras distintas:

Usar o recurso de ‘aspas’ em um grupo a fim de mudar a identidade de um remetente mesmo que a pessoa não esteja no grupo;

Mudar o texto de resposta de alguém para alterar o teor da mensagem

Enviar uma mensagem privada a outro participante de um grupo de modo como se fosse privada, mas, na verdade, se trata de uma mensagem pública cuja resposta será enviada no grupo para todos

O problema está no processo de criptografia do mensageiro, alegam os pesquisadores, que deveria impedir qualquer tipo de interceptação em qualquer tipo de mensagem enviada ou recebida (texto, áudio, vídeo ou foto).

Os protocolos usados pelo WhatsApp, contudo, puderam ser convertidos a fim de permitir que um invasor descobrisse exatamente quais as regras de criptografia o programa usa. É com essa informação que um hacker poderia interceptar e alterar o conteúdo de uma mensagem.

A CPR afirma ter alertado o WhatsApp a respeito da grave vulnerabilidade descoberta no app. Até que uma correção seja lançada, os pesquisadores sugerem aos usuários que fiquem atento ao conteúdo de mensagens recebidas pelo mensageiro. O Facebook, o proprietário do WhatsApp, ainda não se pronunciou publicamente sobre o tema.

Comentários

AVISO - Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie através do nosso whatsapp 71 99663.6360 ou do email jornalismo@maisregiao.com.br. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal. TERMOS DE USO

mais notícias » Leia também

Publicidade
Publicidade