Eduardo Bandeira de Mello, ex-presidente do Flamengo (Foto: Reprodução )

A Polícia Civil do Rio de Janeiro indiciou por homicídio com dolo eventual (quando se assume o risco de matar) o ex-presidente do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello, além de outras sete pessoas. O indiciamento se deve ao incêndio no Ninho do Urubu, o CT do Flamengo, no início de fevereiro. Na ocasião, 10 jogadores da base do clube rubro-negro morreram e três ficaram feridos. As informações são da Globonews. 

Segundo a emissora, o inquérito - assinado pelo delegado Márcio Petra - considerou que houve uma série de falhas que poderiam ter evitado o incêndio. Dentre os problemas encontrados estão estrutura incompatível - os adolescentes dormiam em contêineres transformados em dormitórios -, ausência de reparos dos aparelhos de ar condicionado instalados no contêiner que incendiou e piora nas condições de alojamento das categorias de base. 

O inquérito também apurou que o Flamengo, antes do incêndio, se recusou a assinar um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) proposto pelo Ministério Público do Rio de Janeiro para que fosse regularizada a situação do CT, além de não cumprir Ordem de Interdição efetuada pela Prefeitura.

O CT Ninho do Urubu chegou a ficar interditado de 27 de fevereiro a 11 de março, mas o Flamengo conseguiu liberá-lo após realização de vistorias e a assinatura de um TAC junto ao Corpo de Bombeiros com medidas regularizadoras contra incêndio e pânico.

Jhonata Ventura, Cauan Emanuel e Francisco Dyogo, todos de 15 anos, foram os três feridos que sobreviveram ao incêndio. Os mortos foram Arthur Vinícius, Bernardo Pisetta, Pablo Henrique, Vitor Isaías, Gedson Santos, Áthila Paixão, Christian Esmério, Rykelmo Viana, Jorge Eduardo dos Santos e Samuel Thomas.

O Estado de S. Paulo aguarda posicionamento do Flamengo e está tentando contato com o ex-presidente do clube.

Comentários

AVISO - Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie através do nosso whatsapp 71 99663.6360 ou do email jornalismo@maisregiao.com.br. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal. TERMOS DE USO

mais notícias » Leia também

Publicidade
Publicidade