Vereador Tiago de Zezo (Foto: Reprodução)

A precarização do transporte público coletivo em Mata de São João foi discutido durante sessão ordinária desta terça-feira (22), na Câmara de municipal. O vereador Tiago de Zezo usou seu tempo para criticar o o serviço prestado pela empresa Cidade das Águas.

“Durante um bom período o transporte público foi abandonado pela empresa Cidade das Águas e foi ocupado pelo transporte ligeirinho, ou alternativo, que tem atendido a população de Mata e ganhado força. Com isso, a empresa reduziu o número de transporte, além disso reduziu o tamanho do transporte e a qualidade do serviço”, ressalta.

Tiago ainda lembrou que a Agerba deve fiscalizar o serviço prestado pela empresa, pois muitos idosos que utilizam o transporte não tem comodidade nem segurança durante o trajeto do centro ao distrito do Amado Bahia. “Hoje boa parte das pessoas estão sendo transportadas apenas nos micro-ônibus e a redução tem sufocado a população, digo em especial aos idosos que só esse oportunidade de utilizar um meio de transporte e ficam imprensados como numa lata de sardinha, fora o número de pessoas que ficam nos pontos”,

Ao final, o vereador cobrou do governo um meio de legalizar o serviço de transporte alternativo, inclusive àqueles que prestam serviços de Mata de São João à Dias d’Ávila e vice-versa. “O transporte alternativo é uma maneira viável de garantir a mão de obra, trabalho e renda para muitos pais de famílias tanto de Mata como de Dias d’Ávila e no final do processo a  população tem uma serviço de melhor qualidade. Minha proposta é que se a prefeitura não tem capacidade de pensar em uma alternativa agora que nós vereadores possamos pensar numa solução para o futuro da cidade e que a população tenha um melhor serviço”, afirma.

Comentários

AVISO - Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie através do nosso whatsapp 71 99663.6360 ou do email jornalismo@maisregiao.com.br. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal. TERMOS DE USO

mais notícias » Leia também

Publicidade
Publicidade