colunista

Lizandra Monteiro

É formada em Turismo com foco em hotelaria, especialista em Gestão de Negócios. Atualmente é consultora especializada em empresas de hospitalidade e reside em Imbassai. Escreve uma vez por mês.
Publicada em 29/10/2019 15:17

Mancha de óleo

Lizandra Monteiro
Compartilhe

Olá, Como passaram este último mês?

Indignados, preocupados, sensibilizados?

Como não falar deste desastre ambiental que nos atingiu e já é considerado o maior vazamento de óleo do País em extensão?

Uma séria investigação feita pelo Ibama, revela que as manchas de óleo que apareceram em nosso litoral são petróleo puro (cru) e a única certeza é que não é produzido no Brasil.

Importante saber que este petróleo bruto é feito de uma complexa mistura de hidrocarbonetos, apresentando contaminações variadas de enxofre, nitrogênio, oxigênio e metais. Sabe o que isso significa? Que esse óleo/piche que nos atingiu é bastante tóxico.

E você sabe o que fazer quando se deparar com uma mancha de óleo/piche?

Não toque;

Não ingira e

Não inale.

 Se por algum motivo teve contato com o piche, procure se limpar o mais rápido possível, primeiro com gelo e depois com óleo de cozinha. E se tiver alguma reação alérgica ao toque ou por ter ingerido ou inalado, é importante procurar a unidade de saúde mais próxima.

Se encontrar algum animal com o óleo, não o pegue; se quiser ajudar, não devolva o animal contaminado à água e sim o proteja do sol e entre em contato com o Ibama no número 0800-618-080 e informe-os o que encontrou e o local.

Se pretender agir de forma a contribuir com a remoção destas manchas no local que as encontrou, é importante saber o que o Ibama recomenda:

As pelotas solidas podem ser recolhidas com a mão, porém protegidas com luvas e ainda com vassouras/rodos/rastelos e pás, e sempre com um calçado que impeça o contato do óleo com a pele.

Em hipótese nenhuma essas pelotas devem ser enterradas na areia e ou com outros tipos de resíduos.

Use um balde forrado com sacos plásticos para coletar os resíduos e reserve em local pavimentado e também coberto, separado do lixo comum, até que a coleta feita pela prefeitura ou empresa especializada aconteça. Se não houver um local pavimentado e coberto, a guarda temporária deve ser feita acima da linha da maré alta, evitando que se rompa e gere novos vazamentos. 

Só nos preocupamos com o futuro quando entendemos o que ele significa.

Muitos grupos de voluntários estão se mobilizando com ações de limpeza, isso é muito importante porque em muitos locais não há a ação de prefeituras e outros o acesso deles é precários.

Vou além as recomendações de proteção do Ibama, pois toda precaução é necessária neste ação entendendo que a substancia é toxica; As luvas e botas que são solicitadas devem ser as de PVC ou de borracha, use máscaras semi-facial e se possível com filtro, use calças de algodão e camisa manga de longa de algodão ou mesmo aquelas com proteção solar e claro bonés, e não deixe de fazer intervalos de 15 minutos para hidratação e distanciamento do material tóxico.

O futuro é a soma de presentes, e juntos temos a força de construir essa riqueza nele!

Nos vemos no mês que vem!     

Grande Abraço.

Lizandra Cruz Monteiro 

Comentários

AVISO - Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie através do nosso whatsapp 71 99663.6360 ou do email jornalismo@maisregiao.com.br. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal. TERMOS DE USO

mais notícias » Leia também

Publicidade
Publicidade