Adriano foi morto no último domingo (9) quando estava sozinho em um sítio (Foto: Divulgação)

O miliciano Adriano da Nóbrega, morto em uma operação policial em Esplanada, no agreste baiano, visitava a Bahia há cerca de dois a três anos. A informação é do delegado Marcelo Sansão, diretor do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco). Ao G1, nesta sexta-feira (14), o delegado disse que Adriano da Nóbrega alegava diversas situações para vir à Bahia, como férias, vaquejadas, compra de fazendas e treinamento de animais.

 

A polícia também investiga se Adriano da Nóbrega estava envolvido em um esquema de lavagem de dinheiro e se tinha interesse em estabelecer uma organização criminosa na Bahia. Ainda segundo o delegado, a polícia também desconfia que o miliciano já sabia da operação que culminou na morte dele dois dias antes.

 

Adriano ainda estava na propriedade do fazendeiro Leandro Guimarães, em Esplanada, onde passou vários dias. Leandro, que é suspeito de ter dado suporte ao miliciano, foi preso, mas acabou solto na última terça-feira (11), após pagamento de fiança. Adriano foi morto no último domingo (9) quando estava sozinho em um sítio. Cerca de 70 policiais participavam da ação.  

Comentários

AVISO - Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie através do nosso whatsapp 71 99663.6360 ou do email jornalismo@maisregiao.com.br. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal. TERMOS DE USO

mais notícias » Leia também

Publicidade
Publicidade